AUMENTA A PROCURA PELA VACINA H1N1 EM MANAUS

Quando o estudante Paulo Ricardo Furtado, 20, soube, na última segunda-feira (25), que o Estado estava atravessando um surto de H1N1, a primeira reação foi procurar a Unidade Básica de Saúde (UBS) Dr. José Rayol, na Chapada, Zona Centro-Sul, para tentar se imunizar. Contudo, o que ele até então não sabia é que as vacinas só devem chegar em abril no Estado. Isso se o Ministério da Saúde (MS) não atender ao pedido dos governos estadual e municipal de antecipar a campanha de vacinação no Estado para meados de março.

Uma equipe com quatro técnicos do Ministério da Saúde está em Manaus desde ontem para auxiliar na investigação dos casos. O último boletim divulgado relata que houve 149 casos registrados em Manaus e no interior, com nove mortes confirmadas, sendo cinco na capital, duas em Manacapuru, uma em Parintins e uma em Itacoatiara. O próximo boletim será divulgado nesta quinta-feira (28).

Nas clínicas particulares a procura pela vacina contra o H1N1 também aumentou nos últimos dias. De acordo com uma funcionária da clínica Vacinar, que pediu para não ser identificada, as vacinas contra o vírus H1N1 só estarão disponíveis na primeira quinzena de março.

“Desde ontem [quando as autoridades de saúde do Estado anunciaram o surto] muitas pessoas têm ligado para a clínica procurando pela vacina”, disse.

Na Vacinar, uma dose da vacina contra o influenza chegou a custar R$ 150 para adultos e R$ 100, para crianças, ano passado. A expectativa é que essa dose sofra um reajuste esse ano. “Como acontece todos os anos, pois as nossas vacinas são importadas”, explicou ela.

Envio de tamiflu para o AM

O Ministério da Saúde informou, em nota, que instalou, ontem, em Manaus, o Centro de Operações de Emergências em Saúde (COES) para apoiar as ações de prevenção e controle da doença. A pasta também enviará mais do antiviral “tamiflu” ao Amazonas para ser utilizados no tratamento da H1N1.

Ainda de acordo com o MS, a produção da vacina contra a Influenza A leva cerca de seis meses e só começa após avaliação da mutação dos vírus que mais circularam no hemisfério sul no ano anterior. Com base nessas informações e após autorização da Organização Mundial da Saúde (OMS), os laboratórios produtores da vacina começaram a produzir as doses desse ano, em setembro do ano passado.

Adultos e crianças de qualquer idade que já se vacinaram no ano passado ou em anos anteriores, e que querem ou devem se proteger, precisarão tomar a vacina novamente. Isto porque o vírus da gripe sofre pequenas modificações de um ano para outro.

Ontem, a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) informou que a Sala Municipal de Situação de Vigilância em Saúde, instalada em março de 2018 para monitorar os casos de sarampo na capital, vai passar a englobar o acompanhamento dos casos confirmados e suspeitos de Influenza A (H1N1).

O objetivo é disponibilizar informações para subsidiar a tomada de decisão dos gestores, como a investigação epidemiológica e manejo clínico dos casos, buscando interromper a transmissão da doença entre a população, além de elaborar e liberar informes e boletins epidemiológicos  junto à população.


Categoria:NOTÍCIAS DO BAIRRO

Deixe seu Comentário